Secura Vaginal

SECURA VAGINAL  O QUE É E COMO PREVINIR

 

DEFINIÇÃO:

Secura vaginal é a diminuição ou ausência de umidificação natural da vagina. Graças a um muco transparente que visa proteger as paredes vaginais e mostrar a excitação feminina, a vagina mantém a sua elasticidade e uma textura macia. Além da dor, a secura vaginal pode afetar a harmonia do casal e levar a problemas psicológicos nas mulheres. Stress, medo, culpa e baixa libido são obstáculos para a realização pessoal das mulheres.
Uma recente pesquisa descobriu que 5% delas sofrem com secura vaginal. Um problema que torna o sexo desconfortável, dolorido e algumas vezes até impossível. Mais alarmante é que, deste número, 90% delas sofrem calada e não procuram tratamento.

CAUSAS:

  • Stress, medo e cansaço, qualquer que seja sua origem, provocam lubrificação deficiente das paredes vaginais. As mulheres na menopausa são as mais afetadas pelo stress. O cansaço e o medo também são uns dos principais fatores que bloqueiam o processo de excitação sexual e umidificação natural da vagina;
  • Tomar certos medicamentos: Se você precisa tomar antidepressivos, fazer  tratamentos de acne, anti-hipertensivos, vasoconstritores, anti-histamínicos, pílulas anticoncepcionais ou outros medicamentos que causam secura na boca, também pode secar outras mucosas, causando também a secura vaginal; 
  • Menopausa: no momento da menopausa, os distúrbios hormonais e a deficiência de estrogênio são inevitáveis e resultam em um desequilíbrio da lubrificação vaginal;
  • Distúrbios hormonais (estrogênios) e distúrbios do ovário;
  • Gravidez: Durante os primeiros três meses de gravidez, as mulheres podem sofrer de secura vaginal;
  • O aleitamento materno também pode causar perturbação hormonal;
  • As infecções vaginais;
  • Fazer a higiene íntima demasiadamente;
  • Fumar, devido ao efeito vasoconstritor induzido pela nicotina;
  • O consumo de álcool, fonte de desidratação do corpo;
  • A ausência ou escassez de relações sexuais.

SINTOMAS:

A penetração dolorosa é um dos sintomas mais comuns da secura vaginal. Isto pode ser acompanhado de ardor e prurido. O aparecimento de microlesões nas paredes vaginais, causadas pelo atrito e pela ausência de muco também pode indicar a presença de um desequilíbrio na umidificação natural da vagina.
Mulheres com secura vaginal também podem ser mais susceptíveis a infecções e inflamações vaginais acompanhados de coceira ou odor.

 

TRATAMENTO:

Existem muitos tratamentos para aliviar a secura vaginal.

  • Tratamento à base de hormônios: Tratamento com estrógenos sob a forma de pílula, cremes, supositórios ou gel é um remédio eficaz contra a secura vaginal. Note, no entanto, que a AFSSAPS (Agência Francesa para Segurança Sanitária dos Produtos de Saúde) lançou em 2002, o resultado de um estudo que descobriu que a terapia hormonal favorecia a exposição ao câncer e acidentes vasculares; 
  • O uso de lubrificantes: A secura vaginal muitas vezes causa desconforto e dor durante a relação sexual. Por esta razão, o uso de lubrificantes pode ser útil. Atenção: o uso deste tipo de produto requer muita cautela. Dê preferência para o uso de lubrificantes à base de silicone ou água. Aqueles à base de óleo ou vaselina, podem tornar os preservativos porosos e irritar as mucosas;
  • Alguns lubrificantes contêm ácido hialurônico, vitamina PP e glicerol. Estes produtos têm a vantagem de reidratar e lubrificar a vagina ao mesmo tempo. Esta reidratação pode durar de algumas horas a vários dias. Estes géis são particularmente adequados para mulheres pós-menopáusicas, para o uso cotidiano;
  • Novo tratamento para a secura vaginal: Dispoe-se  hoje de um novo tratamento para a secura vaginal. É um tratamento a laser, que consiste de uma sessão de 10 a 20 minutos, seguro, sem dor, sem queimadura, onde a luz do laser estimula a formação de colágeno na camada da mucosa vaginal, além de promover um tensionamento dessa mucosa e estimulação da hidratação vaginal.

BONS CONSELHOS:

Para prevenir o ressecamento vaginal, é aconselhável:

  • Limitar a higiene íntima à duas vezes por dia, para manter o equilíbrio da flora de Doderlein ou flora vaginal;
  • Use um produto que não irá afetar a acidez da flora vaginal durante a higiene íntima, como exemplo, um sabonete suave com PH neutro;
  • Não use por muito tempo absorventes e tampões, porque sua capacidade de absorção a longo prazo, pode contribuir para secar a vagina;
  • Evite usar calças apertadas que podem irritar a vulva devido ao atrito. Roupas íntimas de algodão são preferidas;
  • Mantenha regularmente atividades sexuais, pois melhora a circulação sanguínea nos órgãos genitais e previne o risco de atrofia;
  • Livre-se do stress e recupere a autoconfiança;
  • Proteja-se com uma leve aplicação de creme de dia antes de nadar porque a água clorada pode promover a coceira.

 

Uma nova estratégia para aumentar o desejo feminino começa a ser usada no Brasil. Trata-se do laser . Aparelho também conhecido por seu uso na estética contra as marcas do envelhecimento. “Por se tratar de método pouco invasivo e virtualmente desprovido de efeitos adversos, contribui no arsenal disponível na área da ginecologia”, A falta de libido é uma das principais queixas femininas em relação a vida sexual. De acordo com estudo da Universidade de São Paulo, uma em cada quatro brasileiras afirma que seu desejo não é tão forte quanto gostaria ou relata dificuldades para chegar ao orgasmo.

O laser  melhora a libido por um mecanismo indireto. Sua aplicação trataria, na verdade, a atrofia da parede vaginal – problema apresentado especialmente por mulheres na pós-menopausa. A condição causa dor durante a relação sexual, fator que pode levar à redução do desejo.

Aplicado dentro da mucosa vaginal por meio de uma ponteira específica, o laser, segundo os especialistas, promove o intumescimento do tecido da região com aumento da vascularização. “Com isso, há maior produção de colágeno. O colágeno é a proteína que dá sustentação à pele. O processo resultaria em alguns benefícios. “O estreitamento vaginal obtido pela produção de colágeno é capaz de permitir um contato mais íntimo durante a relação sexual e, por conseqüência, uma melhora tátil”. Além disso, ocorre um aumento na lubrificação, outro fator que facilita o sexo. As aplicações são feitas em consultório. Em geral, são necessárias de uma a três sessões, dependendo das condições da paciente.

Além da atrofia vaginal, o laser está sendo usado no tratamento do ressecamento vaginal e da incontinência urinária, condições que costumam aparecer com maior freqüência após a menopausa. Uma de suas vantagens reside no fato de ser uma opção pouca invasiva, permitindo que a mulher retorne às suas atividades em seguida à aplicação.

Escolha um horário e marque sua consulta.
Marcar consulta